maio 4, 2020

Nossa viagem pelo Marrocos, por Simone Dini

Estivemos no Marrocos com o nosso grupo Só Para Mulheres e neste post contamos como foi nossa experiência.

Se você está planejando ir para lá, leia também: COMO MONTAR UM ROTEIRO PARA O MARROCOS.

Éramos 13 mulheres de férias, então organizamos um tour privado para o grupo, com o máximo de conforto e segurança. Viajamos em uma van, com um motorista e um guia particular durante todo o trajeto e na Medina de Fes, que é bem cheia, nós contamos com o reforço de mais 2 marroquinos para acompanhar o grupo.

ROTEIRO

Coloquei um mapa para você ter ideia do trajeto todo. Entre uma cidade e outra fizemos várias paradas e gostamos de tudo. Então o ideal é fazer esta viagem de carro… Fora que as meninas sempre arrumavam alguma compra pra fazer no meio do caminho rsrsrsrs.

Uma possibilidade neste roteiro, seria incluir Chefchaouen, que é linda, porém ia adicionar muitas horas de viagem e no nosso caso não valeu a pena.

Nossa viagem começou em Casablanca. A cidade não é bonita e não vale perder muito tempo por lá, mas a Mesquita Hassan II é parada obrigatória- dizem que é a segunda maior do mundo, além de ser super luxuosa.

Sugiro apenas ½ período em Rabat, deixe para conhecer a autenticidade da cultura marroquina em Fes. Almoce pela orla e visite o bairro Kasbah dos Udayas com construções azuis e brancas que lembram a Grécia. (Porém, se a sua viagem passar por Chefchaouen este bairro deixa de ser interessante, já que lá a cidade toda é azul!).

No caminho entre Rabat e Fes, visite: Meknes, Volubilis e Moulay Driss.

Fes vale no mínimo 2 noites, é a cidade mais genuína do país e sua medina é patrimônio da UNESCO, assim como as de Marraquexe, Essaouira e Tétouan. Tem muita coisa para conhecer por lá, além de ser o melhor lugar para fazer compras.

De Fes seguimos para nossa aventura no deserto, detalhada mais abaixo. São muitas horas de viagem, mas teve muita risada no caminho. E após o deserto visitamos Marraquexe.

Nossa dica é ficar com o guia até o primeiro dia de Marraquexe. Visite as atrações culturais com ele e dispense-o para você poder andar por conta. A cidade é segura, com vida social e noturna. Indicamos pelo menos mais 2 noites para comprinhas, restaurantes e até cassino.

Uma das coisas mais legais deste roteiro é conhecer primeiro a parte onde a cultura marroquina é mais viva, menos internacional. Finalizar em Marraquexe te proporciona misturar visitas à medina com compras em boutiques internacionais, e um descanso da culinário local nos restaurantes internacionais ou até no Mc Donald’s, para quem quer um sabor conhecido, rs.

AS MEDINAS

As cidades marroquinas costumam ser divididas entre a parte nova e a antiga, conhecida por medina. São nas medinas que estão os souks, tradicionais mercados marroquinos, e outras dezenas de atrações.

Explorar o Marrocos significa passar muito tempo dentro de medinas, um labirinto com tudo, tudo, tudo que você pode imaginar. De açougue a perfumaria, passando por inúmeros itens de couro, joias e roupas. Tudo no meio de construções maravilhosas de mesquitas, palácios, bibliotecas e fontes.

As compras são melhores em Fes do que em Marraquexe, mas a medina de Marraquexe é mais fácil de se achar e dá para ir tranquilamente sozinha; na de Fes nós recomendamos um guia, principalmente para um grupo só de mulheres.

Se você for como eu, que ama comprar coisas para a casa, prepare-se! Os tapetes são tão famosos que as lojas despacham até para o Brasil. Mas eu me diverti mesmo com as louças: a medina de Fes tem muitas lojas, mas eu acabei fora, em uma loja indicada pelo nosso guia. Também me diverti comprando uma tonelada de pasheminas, deu pra trazer de presente para todo mundo, são lindas e baratas! 

Durante a visita do grupo Só Para Mulheres, descobrimos alguns segredos. Vários lugares têm um terracinho delicioso e é comum você ser convidado pelos vendedores para subir. Alguns dos riads e restaurantes mais chiques das cidades estão escondidos dentro das medinas. De fora você vê apenas uma porta como qualquer outra, mas quando entra é um oásis. Lindos jardins, pássaros cantando, uma paz enorme, no meio do caos completo.

ACOMODAÇÃO

Antes de mergulhar na nossa nossa aventura pelo deserto, quero fazer algumas observações sobre onde se hospedar.

Nós escolhemos nos hospedar em hotéis de redes internacionais e investir em um acampamento de luxo no deserto. Lembrando que éramos um grupo grande e a ideia era agradar o maior número de mulheres.

Sentimos que valeu a pena por diferentes razões. Primeiro, como é um país com uma cultura muito diferente, é mais confortável (e limpo!) estar em redes internacionais, que entendem nossos costumes e oferecem um café da manhã continental, mais gostoso para nós. Segundo, como o país é barato, você pode abusar do luxo e gastar a mesma quantia de uma viagem para a Europa em acomodações mais simples.

Nós recomendamos que se hospede em algum Riad, os hotéis em construções tradicionais marroquinas. Existem várias categorias de Riads, se puder, escolha um mais luxuoso para garantir os padrões internacionais de conforto, limpeza e serviço.

A VIAGEM AO DESERTO

Nós saímos de carro bem cedo de Fes para pegar o pôr do sol já no deserto!

A primeira parada é a aldeia berbere de Imouzzer Kandar, criada no início de 1900 pelas autoridades francesas aos moldes da estância de esqui de Ifrane. Por esta razão, tem uma arquitetura interessante, que mescla um clima de cidade alpina francesa com vilarejo marroquino.

Depois fazemos uma parada em Midelt, uma cidadezinha entre montanhas, que combina a paisagem seca marroquina com a neve, dependendo na época do ano.

Seguimos para o vale Ziz, com desfiladeiros nos meios das rochas. O rio segue até a Argélia e o resultado dessa combinação é uma paisagem clássica marroquina, mas com muito verde das árvores.

Nossa próxima parada é Erfoud, onde pegamos um 4×4 rumo a Merzouga, cidade mais próxima das dunas, base do acampamento. Deixamos as malas dentro da van que ficou estacionada em um hotel. Levamos só uma mochila com o que precisaríamos para uma noite.

No deserto você vai tirar as fotos mais legais: leve roupas coloridas e lenços. E, não se esqueça de: óculos escuros, hidratante, umidificador de nariz e olhos, filtro solar e protetor labial.

O 4×4 nos leva até os dromedários, para um passeio pelas dunas para ver o pôr do sol. Foi incrível, um dos poucos lugares que já visitei e que me deu a sensação de só ter a gente por ali. Tiramos várias fotos e ficamos sentadas curtindo tudo. Fizemos a maior farra descendo as dunas em cobertores. Depois de comprarmos mais souvenirs no pé da duna, entramos no 4×4 e fomos em direção ao nosso acampamento. O sol se esconde rapidamente e vira noite. É a maior escuridão. Fazer este trajeto por conta é complicado: é difícil saber onde está o GPS e se você tiver qualquer eventualidade ninguém te acha ali… Os nossos guias foram sensacionais! Nos levaram com segurança e boa música para o nosso acampamento.

Fique atenta: alguns tours te fazem andar grandes distâncias no dromedário, o que pode ser desconfortável. Nós fomos de 4×4 até o pé da duna, andamos uns 10 min de dromedário e já deu. Rsrsrsrs.

Fizemos questão de escolher um acampamento de luxo, com banheiro privativo e foi o melhor investimento que fizemos. Além do conforto de termos aquecedor e ar condicionado, água quente para o banho, uma cama beeem gostosa com um edredom macio e uma tenda cheia de tapetes lindos, imaginou ter que compartilhar o banheiro com piriri???

Lá no acampamento tomamos banho quente e jantamos. Depois o pessoal fez uma fogueira e tocaram músicas para nós. Nos divertimos muito! O céu estava lindo, cheio de estrelas e uma lua sensacional!

Algumas de nós acordaram cedo ainda para ver o nascer do sol. Eu aproveitei para dormir. Tomamos um café da manhã maravilhoso e pegamos o 4×4 em direção a Erfoud. Lá pegamos nossa van (com as nossas malas) para dar início a viagem em direção a Marraquexe.

O caminho é belíssimo, cheio de surpresas. Um desfiladeiro formado por rochas enormes e alguns oásis que enchem o marrom típico do Marrocos de visual verde, em meio a vilarejos berberes.

Nossa noite foi em um hotel Kasbah, aquelas construções marrons, de barro, típicas do Marrocos. Nosso hotel era em uma posição muito estratégica na parte alta do povoado que nos deu uma vista linda de toda a vila de barro. Jantamos no hotel e fomos para a cama, porque tínhamos passado o dia todo na estrada.

Acordamos cedo para nosso último dia de estrada, agora já a caminho de Marraquexe. A estrada é beeem sinuosa. Mais alguns vilarejos berberes com muitas kasbahs e chegamos a Ouarzazate , onde ficam os estúdios que gravaram Gladiador e Game of Thrones. Por ali fica também a Fortaleza de Taourirt, a segunda maior Kasbah do Marrocos.

Depois de mais um longo dia chegamos à Marraquexe e curtimos o final da viagem!

O QUE É PRECISO SABER ANTES DA VIAGEM

Como a cultura é totalmente diferente da nossa, é super importante se informar bem antes da viagem. O país de maioria islâmica e tende a ser machista, então é preciso saber como se portar, como se vestir e como evitar situações incômodas.

Nós recomendamos que você já saia do Brasil com os transferes e tours contratados de uma empresa que você já tenha referência. Você pode encontrar serviço mais barato ao chegar lá, mas a qualidade do guia em uma viagem com apelo cultural é muito importante. Além disso ter um respaldo no país te garante mais segurança na hora de circular.

Para os nossos clientes, preparamos um material especial: um caderninho com o roteiro detalhado, os vouchers e todas as informações necessárias. Aqui segue um resumo:

RELIGIÃO E CULTURA

O Islamismo é a principal religião do Marrocos e isso influencia todo o estilo de vida do país.

Eles rezam 5 vezes ao dia e você escutará os chamados para as orações, vindos dos alto-falantes das mesquitas. É lindo! Você verá em vários lugares, inclusive nos aeroportos, os lavatórios para as pessoas se purificarem antes das orações. Já dentro do avião, vimos um grupo de pessoas rezando, virados para Meca.

Até 2004 os homens podiam se casar com até 4 mulheres, desde que elas fossem tratadas da mesma maneira. Depois, a poligamia passou a ser admitida apenas com o consentimento da primeira esposa. Fico me perguntando como eles conseguem, uma mulher já dá trabalho, imagine quatro!

Os muçulmanos não bebem álcool, mas como o Marrocos é um país bastante turístico é possível encontrar cerveja e vinho em alguns restaurantes, especialmente nos hotéis internacionais.

Deu pra sacar que eles são bastante conservadores e até machistas, né? Apesar disso, o muçulmano é muito hospitaleiro e simpático, então prepare-se para ser bem tratada.

O QUE VESTIR

No geral, a regra é não deixar muita pele à mostra, mas a maior atenção é para as mulheres! Vista-se de forma comportada, sempre com uma pashemina ou lenço à mão para cobrir os ombros e possivelmente também a cabeça. Homens devem evitar regatas, mesmo com a temperatura alta. Você vai ver que o cenário muda de cidade para cidade, em Marraquexe você verá muitas mulheres de short e regata, mas não é o ideal. Opte por vestidos longos, pantalonas e saias midi.

Nas piscinas dos hotéis os biquínis tradicionais são comuns, mas nas praias opte por usar roupas como camiseta e short na altura do joelho.

Lembre-se de que em lugares religiosos você será barrada se não estiver vestida adequadamente. Além disso, você vai precisar tirar os sapatos para entrar nas mesquitas, leve meias na bolsa para não ter que pisar no chão. Mostrar a sola dos pés ou o pé é considerado rude, tenha atenção.

ATENÇÃO PARA A COMIDA

Fizemos um capítulo inteiro sobre a gastronomia local, mas vale comentar aqui que você deve escolher muito bem onde comer, pois existe um problema de higiene no país. Prefira alimentos cozidos, beba apenas água mineral, duvide do gelo (dependendo do estabelecimento, claro!).

Além disso, preparar uma farmacinha é recomendadíssimo! No nosso grupo, de 13 mulheres, 11 tiveram piriri em algum momento da viagem, sorte que tínhamos Imosec e Floratil. Vale levar algo para enjoo, não só pela comida, mas pelas curvas que você vai passar de carro nas Montanhas Atlas, nós usamos Vonau Flash e funcionou. 

O CHÁ

O chá de menta é a bebida típica do país e é oferecida em todos os momentos em todos os lugares. É considerado rude não aceitar. É chato.

O COSTUME DA PECHINCHA

Uma das coisas mais importantes ao fazer compras no Marrocos é entrar na onda da pechincha – negociar na hora das compras é algo cultural e todos já esperam que você faça isso.

Algumas regras, porém, devem ser observadas. Não entre na negociação de um produto que depois você não vai levar e não negocie sob hipótese alguma o preço de comida.

COMO SE COMUNICAR

Os idiomas oficiais são árabe ou darija e berbere ou amazigue, mas muitos marroquinos falam francês.

Mas o interessante é que, mesmo não falando nenhuma destas línguas, dá para se virar bem. Eles conhecem palavras-chave em português, italiano, espanhol e inglês. Dizem que aprendem tudo no dia a dia, com os turistas!

MOEDA E CÂMBIO

A moeda utilizada no país é o Dirham marroquino (Dh). O melhor câmbio costuma de ser de Euro para Dh. É aconselhável fazer a troca sempre em bancos ou agências de câmbio, pois na rua é ilegal e não confiável. Os cartões internacionais também são aceitos, porém é mais comum utilizar o dinheiro local. Tenha sempre moeda trocada para compras de pequenos valores.

GORJETAS

Gorjeta é um hábito comum dos marroquinos. Não estão inclusas nos valores dos cardápios. O recomendado é deixar 10% em cima do total da conta.

MULHERES DESACOMPANHADAS

É importante ter em mente que mulheres, mesmo em grupo, podem sofrer assédio. Se houver algum incômodo é indicado procurar ajuda da polícia, famílias ou funcionários em lojas grandes.

Entretanto, o país é bastante turístico e amigável, se você se comportar adequadamente não deve ter problemas. Evite roupas decotadas e que marquem muito o corpo e lembre-se de que contato visual direto e sorrisos podem ser entendidos como paquera.

Tenha sempre um xale, pashemina ou lenço na bolsa para se cobrir em momentos mais formais.

GASTRONOMIA

A comida marroquina é gostosa, mas cansativa. O menu de qualquer lugar tem: couscous, tagine, kefta e brochette, nada tão diferente do que já vimos no Brasil.

Algumas meninas se iludiram com alguns lugares bem populares que servem kebab, mas a experiência não foi legal. O tempero é diferente e vem uma certa miscelânea de salada, carne a batatas fritas, tudo dentro do pão.

O couscous, nosso conhecido, vem com legumes picados, cebolas, uvas-passa, carne de vaca, frango ou cordeiro.

O tagine é uma base de cerâmica com tampa que vai ao forno e cozinha tudo junto. Tem de carne de vaca, frango ou cordeiro, vegetariano e ovo! 

A kefta é o que conhecemos como kafta, só que servida em bolinhas, como almondegas, ou em formato de quibes.

O brochette é o famoso espetinho, tem de carne de vaca, cordeiro ou frango.

Os corajosos podem experimentar um hamburguer de camelo no Café Clock, na medina de Marraquexe.

O que dá a sensação de ser uma comida cansativa é o tempero. Eles utilizam as mesmas especiarias para preparar todos os pratos, basicamente cominho, cúrcuma, conserva de limão siciliano e, como dito, azeitonas.

Curtiu? Siga nosso Instagram! @assessorato_viagens

Deixe um comentário

avatar